Nasmatê – saudação indiana sem contato físico

Por: Prashanth Kulkarni,Shruthi Kodad , Manjappa Mahadevappa

Na maioria dos países do mundo, apertar as mãos, dar soquinhos, tocar as mãos abertas no alto e dar abraços são algumas formas diferentes de cumprimento, o que leva à proximidade e ao contato físico, facilitando a rápida propagação de infecções como a Covid-19.

Como alternativa, outras formas de saudação não físicas podem ser exploradas, como o “Namastê”, usado na Índia há centenas de anos com o gestual das mãos postas, mantendo uma distância razoável entre os interlocutores. O indivíduo, além de dizer "Namastê", pressiona as palmas das mãos na frente do peito e cumprimenta respeitosamente a outra pessoa. Essa forma de saudação não envolve nenhum toque físico entre os indivíduos e dá a sensação de paridade a todas as partes.

Além de seguir os princípios gerais da lavagem meticulosa das mãos, a transmissão rápida de infecções nos hospitais e nas comunidades pode ser superada com a adoção da saudação sem toque “Namastê” e com outras formas de cumprimento, como o inclinar de cabeça, amplamente usado em alguns países asiáticos.

Fonte Acadêmica: Revista Influenza and Other Respiratory Viruses

Foto: Fizkes de Getty Images

0 visualização